Dissertações

DISCENTE: ELBER RIBEIRO GAMA
DATA: 13/03/2014
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO NO ESTADO DE SERGIPE.
PALAVRAS-CHAVES: prevalência;condutas de risco à saúde; sobrepeso; obesidade; adolescentes.
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

É crescente o número de pesquisas que visam a analisar a existência de associação entre condutas de risco à saúde e sobrepeso/obesidade (SO). Tem sido verificado o constante aumento da prevalência de SO em adolescentes, o que se constitui em um fator de risco para diversas doenças na fase adulta da vida. O presente estudo teve como objetivo investigar a existência de associação entre condições de vida, condutas de risco à saúde e sobrepeso/obesidade em estudantes do ensino médio público no estado de Sergipe. Foi realizada uma pesquisa epidemiológica, com delineamento transversal. A amostra foi composta por 3992 adolescentes, distribuídos em 39 unidades de ensino situadas em 27 municípios do estado de Sergipe. Os dados coletados foram analisados através de estatística descritiva e de procedimentos de regressão logística binária, utilizando um nível de significância de 5% (p≤0,05). Por meio da análise dos indicadores para condutas de risco à saúde, observou-se que a prevalência de sobrepeso/obesidade nos sujeitos da amostra foi de 15,5%, sendo maior nos homens (16,3%) do que nas mulheres (15%). A variável dependente SO mostrou-se associada: a) à situação de domicílio dos estudantes (OR 0,74; IC 95% 0,55-0,99); à renda familiar (OR 1,34; IC 95% 1,08-1,68); c)ao não atendimento às recomendações internacionais para a prática de atividade física (OR 0,72; IC 95% 0,55-0,95); e d) ao elevado consumo de refrigerante pelos adolescentes, principalmente no gênero feminino (OR 1,23; IC 95% 1,03-1,46). Pode-se concluir que o estudo identificou uma considerável prevalência de sobrepeso/obesidade entre os adolescentes, e que a mesma está associada à situação de domicílio, renda familiar, consumo de refrigerantes e ao não atendimento às recomendações internacionais para prática de atividade física. Em contrapartida, não foi observada associação entre a exposição ao comportamento sedentário e o SO. Outros estudos com método semelhante são necessários para determinar se os resultados encontrados se confirmam em outras populações de crianças e adolescentes.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - DANILO RIBEIRO GUERRA
Interno - JOSE ADERVAL ARAGAO
Externo à Instituição - FRANCISCO PRADO REIS

DISCENTE: RICARDO AUGUSTO LEONI DE SOUSA
DATA: 14/03/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: Efeitos do exercício resistido agudo intenso sobre os marcadores de dano muscular, inflamação e no perfil hormonal e hemodinâmico em indivíduos com diabetes mellitus tipo 2.
PALAVRAS-CHAVES: Palavras chave: diabetes mellitus tipo 2, exercício resistido, dano muscular.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é caracterizada pela resistência à insulina que pode ser combatida pelo exercício físico. O objetivo deste estudo foi o de avaliar os efeitos do exercício resistido agudo de alta intensidade nos marcadores de dano muscular, inflamação e no perfil hormonal no DM2. Foram voluntários 40 homens, sendo 20 diabéticos (D) e 20 não-diabéticos (N/D) que foram divididos em quatro grupos com 10 indivíduos cada que realizaram o exercício a 60% e 75% da carga máxima (N/D-60, D-60, N/D-75, D-75). Os exercícios utilizados foram: supino reto, tríceps no pulley, remada no aparelho, rosca direta com barra, elevação lateral com halteres e agachamento com barra. Sangue foi coletado e foram dosadas os níveis de creatina quinase (CK), lactato desidrogenase (LDH), proteína C reativa (CRP), testosterona, cortisol e glicemia antes e depois do protocolo de exercícios, sendo também aferida a pressão arterial para avaliar a hipotensão pós exercício (HPE) e a freqüência cardíaca (FC). Utilizou-se Shapiro-Wilk para checar a normalidade da amostra e o teste t de Student pareado, o delta absoluto, a correlação de Spearman, ANOVA one way e pós-teste de BonFerroni para a análise estatística realizada através do programa prisma 5.0. Foi estabelecido como significativos valores de p<0,05. Houve diferença significativa para CK e LDH entre o pré e pós protocolo experimental apenas nos grupos que realizaram ER intenso (p<0,05). Quando avaliada a variação da CK intra e inter grupos obteve-se significância quando comparados N/D-60 com N/D-75 e D-60 com D-75 (p<0,05). Já na LDH só houve significância quando comparados D-60 com D-75 (p<0,05). A testosterona apresentou diferença significativa entre o antes e depois ER em N/D-75, D-60 e D-75 (p<0,05). Para o cortisol houve uma redução significativa para todos os grupos (p<0,05). Existiu uma redução da glicemia mostrando uma significativa diferença entre o pré e pós protocolo experimental nos grupos N/D-60, N/D-75 e D-75 (p<0,05). Quando avaliado o delta absoluto da relação intra e inter grupos foi obtido na testosterona significância quando comparado o grupo D-60 com D-75 (p<0,05); no cortisol quando comparado intra grupos N/D-60 com N/D-75 e D-60 com D-75 (p<0,05) e inter grupos N/D-75 e D-75 (p<0,05); na razão T/C houve diferença significativa intra grupos quando comparados N/D-60 com N/D-75 e D60 com D-75 (p<0,05) e na glicemia foi constatada diferença significativa na comparação entre D-60 com D-75 (p<0,05), sendo também mostrada diferença significativa entre N/D-60 com D-60 (p<0,05). A testosterona e a glicemia se correlacionaram no grupo D-75 (r = -0,7447 e p = 0,0135). O ER agudo de alta intensidade ocasiona elevação sérica da CK e da LDH e não promove aumento da CRP que diagnostique inflamação que comprometa a saúde do indivíduo com DM2. O aumento da razão entre a testosterona e o cortisol é favorecida e há redução dos valores da glicemia nos indivíduos com DM2. HPE foi induzida no ER moderado e intenso e a redução da FC apenas no intenso quando comparado o pré e pós protocolo nos diabéticos (p<0,05). Logo, o ER intenso promove excelentes respostas metabólicas e hemodinâmicas sobre os marcadores de dano muscular, inflamatório e no perfil hormonal em indivíduos com DM2.

Palavras chave: diabetes mellitus tipo 2; exercício resistido; dano muscular; hormônio; glicemia;hipotensão pós exercício.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - EMERSON PARDONO
Interno AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
Externo à Instituição - GISELA ARSA DA CUNHA

DISCENTE: CHARLES NARDELLI VALIDO
DATA: 20/03/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: SUPLEMENTAÇÃO DE CITRATO DE SÓDIO E DESEMPENHO EM LUTADORES DE JUDÔ E JIU-JÍTSU
PALAVRAS-CHAVES: artes marciais, nutrição, desempenho atlético, Ácido lático
PÁGINAS: 46
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

A nutrição, quando bem planejada, melhora o desempenho na prática esportiva, resultando em melhora do desempenho em atividades aeróbicas e anaeróbicas. O judô e o Jiu-jitsu, assim como demais lutas de Grappling exige muito da capacidade anaeróbica do lutador. Devido a elevada demanda do sistema glicolítico, a capacidade de remoção e tamponamento do lactato é fundamental para o desempenho nestas modalidades. Diante do exposto, este estudo verificou o efeito da suplementação de citrato de sódio (Na3C6H5O7) e o desempenho de lutadores de judô e jiu-jitsu. Para tal, foram medidos 24 atletas altamente treinados (12 em cada modalidade). Mensurou-se os níveis de lactato, gases sanguíneos (pH, PCO2, PO2, HCO3 e bases), percepção subjetiva do esforço e pontuação em simulação de competição com 3 lutas (intervalos de 15 minutos), cada luta durou 5 minutos para o judô e 7 para o jiu-jítsu. Após a terceira luta os judocas realizaram o Special judo Fitness test e os demais, o teste de RAST, seguidos do Judogi Handgrip Test. Os dados levantados serão analisados a partir dos elementos da estatística descritiva, quando aplicável, serão realizadas inferências paramétricas e não-paramétricas. Em todas as análises será utilizado nível de significância de 5% (p<0,05).
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1785385 - CIRO JOSE BRITO
Externo à Instituição - EMERSON FRANCHINI
Interno - 2571568 - RAQUEL SIMOES MENDES NETTO

DISCENTE: RICARDO FONTES MACEDO
DATA: 27/03/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: O SOBREPESO NÃO INFLUÊNCIA A RESPOSTA CARDIOVASCULAR E AUTONÔMICA CARDÍACA AO EXERCÍCIO DE FORÇA EM ADOLESCENTES
PALAVRAS-CHAVES: Sobrepeso; Exercício de Força; Sistema Cardiovascular
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Com a alta prevalência de obesidade na adolescência tem sido recomendado a prática de exercício físico. Recentemente o exercício de força tem sido recomendado para a redução do peso corporal e melhora da função cardiovascular. Porém, as respostas cardiovasculares e autonômicas cardíacas durante e após uma sessão de exercício de força em adolescentes com excesso de peso não são conhecidas. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar se o sobrepeso influência nas repostas da frequência cardíaca (FC), da pressão arterial e da modulação autonômica cardíaca ao final e após uma sessão de exercício de força em adolescentes. Participaram do estudo 34 adolescentes, sendo 19 eutróficos (idade: 15±1 e IMC: 26±1) e 15 sobrepeso (idade: 16±1 IMC: 20±1). A sessão de treinamento consistiu em 10 minutos de repouso em posição supina, 10 minutos de aquecimento, 20 minutos de exercício de força (5 exercícios, 3 séries de 12 repetições a 60% de 1RM) e 30 minutos de recuperação. A pressão arterial foi analisada no repouso e ao final da recuperação. A FC, IRR e SDNN (modulação simpatovagal), RMSSD e pNN50 (modulação parassimpática) foram mensuradas em repouso, no final do exercício e na recuperação. Para comparar as respostas mensuradas inter e intra grupos foi utilizado o teste de ANOVA de 2 vias e ANOVA de 2 vias para medidas repetidas, com Post-hoc de Tukey. O nível de significância adotado foi de p<0,05. A FC e a modulação simpática de repouso foram maiores no grupo sobrepeso. O grupo sobrepeso também apresentou reduzido IRR e modulação parassimpática em repouso. Porém, o sobrepeso não influenciou nas respostas de tais variáveis ao final e depois do exercício de força. Portanto, estes dados adolescentes sugerem que o comportamento cardiovascular e autonômico cardíaco, em adolescentes, em resposta ao exercício de força não sofre influência do sobrepeso corporal.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1840655 - EMERSON PARDONO
Externo à Instituição - KÁTIA DE ANGELIS
Presidente - 1849740 - ROGERIO BRANDAO WICHI

DISCENTE: VICTOR HUGO DE MELO
DATA: 27/03/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: FATORES RELACIONADOS COM NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS AMPUTADOS E A RELAÇÃO ENTRE NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA COM A QUALIDADE DE VIDA
PALAVRAS-CHAVES: Amputação; Atividades Físicas; Qualidade de Vida.
PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

A Atividade Física tem sido recomendada pela sua importância tanto na prevenção de doenças quanto na saúde.Porém indivíduos amputados apresentam menores níveis de prática de Atividade Física, além de alterações de características específicas que podem alterar a natureza da relação entre Atividade Física e Qualidade de Vida. Por isso, o objetivo deste estudo foi verificar os fatores relacionados com maiores níveis de Atividade Física, como também verificar a relação entre Atividade Física e Qualidade de Vida. Para tal, foi conduzido um estudo transversal utilizando formulários com perguntas sociais e clínicas e de questionários de Qualidade de Vida WHOQOL-BREF e de Atividade Física IPAQ.Para as variáveis categóricas foi utilizado o teste doqui quadrado p<0,05, as variáveis numéricas foram avaliadas através do teste t student p<0,05 e as variáveis que apresentaram p<0,2 foram inseridas no modelo de regressão logística. O nível de Atividade Física apresentou relação apenas com os domínios físico e psicológico p<0,05 da Qualidade de Vida, e os fatores relacionados com os níveis de Atividade Física foram: idade, independência funcional e a participação no programa de reabilitação p<0,05.Não houve alteração na natureza da relação entre nível de Atividade Física e Qualidade de Vida, e o Programa de Reabilitação foi à única variável associada com maiores níveis de Atividade Física, apresentando um risco de chance aumentado em vinte e cinco vezes para o indivíduo ser ativo.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Interno - 1840655 - EMERSON PARDONO
Externo ao Programa - 2283033 - ANA PAULA DE LIMA FERREIRA

DISCENTE: LUIZ EDUARDO MELLO DE GOIS JUNIOR
DATA: 31/03/2014
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA ANÁLISE DA TOMADA DE DECISÃO EM AÇÕES OFENSIVAS NO BASQUETEBOL
PALAVRAS-CHAVES: Análise de desempenho, Análise do jogo, Esporte, Cognição
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

INTRODUÇÃO: no basquetebol o jogador deve utilizar a síntese de raciocínio para tomar decisões e realizar as ações adequadas frente às relações entre os elementos do esporte. Uma forma para se avaliar a tomada de decisão (TD) é a análise de jogo, que é uma estratégia bastante utilizada tanto no âmbito científico como no acadêmico. Alguns estudos utilizaram vídeos ou fotos projetadas para que os atletas analisassem a projeção e informassem o que eles fariam se acontecessem aquelas mesmas ações durante uma partida. Esse tipo de estudo exclui as propriedades presentes nas situações do jogo descaracterizando o contexto real e distanciando-o das variáveis que interferem no jogo. Para minimizar essa descaracterização alguns autores utilizaram a metodologia observacional, a qual utiliza a observação de jogos filmados para avaliar as TD durante a partida, ou seja, dentro do contexto real do jogo, e buscando preservar a validade ecológica. Contudo, apesar dos estudos já realizados, nota-se que não existe um instrumento validado que descreva as ações a serem observadas durante as partidas, e que deste modo, orientem a avaliação das TD por professores e treinadores no contexto natural do jogo. OBJETIVO: propor uma ferramenta de fácil utilização para orientar a avaliação das tomadas de decisão de atletas de basquetebol. MÉTODOS: a amostra foi formada por 18 treinadores de basquetebol que possuem o curso nível III (categoria adulto) da Escola Nacional de Treinadores de Basquetebol. A média de idade foi de 42,3 (±11,1) anos e o tempo de experiência com o basquetebol entre 8 e 44 anos. Primeiramente foi criado um formulário contendo 30 situações reais de jogo, divididas em cinco categorias (drible, arremesso, corte com bola, movimentação de jogador sem bola, passe). Posteriormente, o formulário foi enviado para os treinadores via e-mail para que avaliassem as situações como certas ou erradas. Para analisar a concordância foi calculado o percentual de respostas idênticas entre os treinadores. Foram considerados três níveis de concordância: alta (entre 80% e 100%), moderada (entre 70% e 79%) e baixa (entre 50% e 69%). Foi criada uma planilha informatizada para a análise. Três técnicos com experiência em competições nacionais foram convidados a testar a viabilidade operacional da ferramenta. Para isso, assistiram individualmente a um vídeo com 20 posses de bola consecutivas de uma mesma equipe durante a final do Campeonato Estadual Sergipano Adulto de 2010. Em seguida, responderam a um questionário acerca da utilização da planilha. RESULTADOS: todas as ações descritas para a categoria “Drible” tiveram alto grau de concordância (83% a 100%). Na categoria “Arremesso” quatro ações tiveram alto grau de concordância (94% a 100%), duas com grau moderado (ambas com 78%) e uma teve baixo grau de concordância (67%). Na categoria “Corte com a bola”, três tiveram alto grau de concordância (94% e 100%) e uma teve baixa concordância (56%). As categorias “Movimentação de jogador sem bola” e “Passe” obtiveram alto grau de concordância em todas as ações (94% a 100% e 89% a 100%, respectivamente). Quanto ao uso da planilha, os três técnicos a consideram razoavelmente viável, com seu manuseio tornando-se mais simples logo após um breve período de familiarização. CONCLUSÃO: as ações definidas para cada categoria mostraram-se válidas para fazer parte do instrumento de avaliação da TD, e o uso da planilha mostrou-se viável do ponto de vista operacional.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA
Interno - 1003924 - AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
Externo à Instituição - HERMES FERREIRA BALBINO

DISCENTE: ARTHUR NAVAJAS MOREIRA
DATA: 31/03/2014
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 5 no Departamento de Educação Física
TÍTULO: EFEITO DA MOVIMENTAÇÃO ATIVA TÍBIO-TÁRSICA EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS DURANTE A HEMODIÁLISE
PALAVRAS-CHAVES: Exercício Físico , Doença renal crônica, Hemodiálise, Ureia
PÁGINAS: 48
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

A movimentação ativa tíbio-társica pode favorecer um aumento no retorno venoso contribuindo para a melhora do tratamento de hemodiálise, incrementando circulação periférica e consequente remoção de toxinas do sangue. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da movimentação ativa tíbio-társica sobre o índice de depuração de uréia (Kt/V) e o percentual de remoção de uréia (PRU), além de verificar o efeito na pressão arterial e frequência cardíaca de pacientes renais crônicos durante a hemodiálise. A amostra foi composta por 44 pacientes, com idades entre 23 e 72 anos e estatura média de 167cm ± 11 e peso de 66,7kg ± 14,4, divididos em dois grupos, sendo um grupo controle e o outro grupo exercício. A movimentação ativa tíbio-Társica foi realizado na posição sentada com joelhos a 900 realizando movimentos de dorsiflexão e flexão plantar. A movimentação foi realizada com um suporte de madeira ajustável de forma que o paciente ficasse em posição correta e confortável para a realização do exercício. A realização do exercício foi feita no horário de tratamento de cada paciente e nas duas primeiras horas da sessão. O protocolo de exercício foi de quatro séries de 15 repetições, seguindo uma progressão de 5 repetições por mês até que completássemos as quatro séries de 30 repetições, com intervalos de 60 segundos entre as séries. O resultado não apresentou diferença significativa no Kt/V e também não alterou o PRU com a movimentação ativa tíbio-társica, no entanto apresentou elevação da pressão arterial comparado ao controle (p<0,001) e da frequência cardíaca (p<0,05). Conclui-se que o protocolo de movimentação ativa-tíbio társica não foi eficiente para melhorar o Kt/V e o PRU, mas promoveu alteração das variáveis cardiovasculares.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2584323 - DANILO RIBEIRO GUERRA
Externo à Instituição - FRANCISCO PRADO REIS
Presidente - 2353533 - JOSE ADERVAL ARAGAO

DISCENTE: GUADALUPE DE MORAES SANTOS SILVA
DATA: 23/04/2014
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Educação Física
TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: Estresse Ocupacional; Síndrome de Burnout; Professor de Educação Física.
PÁGINAS: 93
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

A Síndrome de Burnout em professores é um tema que vem chamando atenção por se tratar de um problema de saúde pública, relacionado ao trabalho. O objetivo principal deste estudo éverificar a presença da Síndrome de Burnout em professores de educação física da rede pública estadual de Sergipe. Sendo um Estado em que o esporte é predominantemente escolar, os professores de educação física exercem um papel decisivo no ambiente esportivo local, que vai desde a formação inicial do atleta, até a ação como técnico durante as competições. Esta pesquisa trata-se de um estudo transversal, de caráter descritivo e com abordagem quantitativa, onde participaram 164 professores, de ambos os sexos, sem delimitação de faixa etária, graduados em educação física e atuantes em escolas públicas estaduais de Sergipe. Para a coleta de dados, foram utilizados dois instrumentos de avaliação: um questionário sócio-demográfico e o Maslach Burnout Inventory-MBI, questionário com 22 questões fechadas em uma escala Linkert de 0 a 6. A seleção da amostra foi aleatória estratificada, obedecendo a uma proporcionalidade nas 10 diretorias regionais do Estado de Sergipe o que possibilitou um processo de seleção por conglomerados. A análise dos dados foi realizada em fases: A primeira consistiu na avaliação descritiva dos dados para caracterizar a amostra e identificar os escores da Síndrome de Burnout e na avaliação da distribuição, utilizando o teste de Kolmogorov-Smirnov.Na segunda fase se calculou o coeficiente de Alfa de Cronbach no intuito de testar a consistência interna do MBI. Na terceira fase se comparou os dados obtidos entre as variáveis sociodemográficas: sexo, estado civil, idade, tempo de exercício da profissão, carga horária e outro vínculo empregatício, com as três dimensões do MBI, utilizando-se dos testes não paramétricos Mann- Whitney e Kruskal-Wallis. Para o processamento e análises das respostas se utilizou o programa estatístico SPSS para Windows, versão 20.0. A significância estatística foi estipulada em 5% (p≤0,05). Os resultados obtidos demonstraram que os professores de educação física da rede estadual de ensino de Sergipe não apresentam casos extremos de Burnout,porém os identificadores encontrados nas três dimensões apontam para um possível início de desenvolvimento do processo de instalação da síndrome, uma vez que os índices intermediários de pontuação foram elevados nas três dimensões: Despersonalização (84,2%); Exaustão Emocional (78,4%) e Realização profissional (67,9%). Conclui-se que a amostra não apresentou casos extremos de Burnout, porém os identificadores encontrados nas três dimensões apontam para um início de desenvolvimento da síndrome.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1003924 - AFRANIO DE ANDRADE BASTOS
Externo à Instituição - CAMILA MOURA FERREIRA VORKAPIC
Interno - 1546651 - MARCOS BEZERRA DE ALMEIDA

DISCENTE: JYMMYS LOPES DOS SANTOS
DATA: 29/05/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Departamento de Educação Física
TÍTULO: Avaliação do estresse oxidativo e lesão muscular no exercício resistido de alta intensidade em animais tratados com Bowdichia Virgilioides
PALAVRAS-CHAVES: Estresse oxidativo; exercício físico; extrato hidroetanólico
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Educação Física
RESUMO:

Embora considerada uma modalidade de exercício físico segura, a execução do exercício resistido (ER) de alta intensidade pode induzir isquemia-reperfusão e aumento de radicais livres (RL). O uso de agentes antioxidantes naturais pode reduzir os danos oxidativos em resposta ao ER de alta intensidade. O objetivo do presente estudo foi investigar o potencial antioxidante in vitro e o efeito protetor do extrato hidroetanólico de Bowdichia Virgilioides (BV) sobre lesão muscular e parâmetros de estresse oxidativo em ratos submetidos a exercício resistido de alta intensidade. Trinta e dois ratos machos da linhagem Wistar com 3 meses de idade (200-250 g) divididos em 4 grupos: 1) Grupo sedentário (GC, n = 8) – tratado com veículo (tween 80, via oral, vo) e eletroestimulação; 2) Grupo treinado (GT, n = 8) - tratado com veículo (tween 80, a 3% Vo) e treinamento resistido; 3) Grupo BV sedentário (GBV, n =8) - tratado com extrato EHE de BV (200 mg.kg-1, vo); 4) Grupo BV treinado (GBVT, n = 8) - tratado com EHE de BV a (200 mg.kg-1, vo). Os resultados do estudo peroxidação lipídica no plasma e tecido foram diminuídas em 55,8%, e 66,1% no plasma e no músculo esquelético, respectivamente, a partir de GBVT comparando a GT (p <0,05). Além disso, o stress oxidativo, foram reduzidos em 58,8%, e 62,8% no plasma e no músculo esquelético, respectivamente, a partir de GBVT comparação com GT (p <0,05).Nossos estudos demonstram que o EHE da BV foi capaz de reduzir alguns maracadores de estresse oxidativo frente ao exercicio resistido de alta intensidade, como também observamos que o consumo do EHE da BV durante o treinamento foi capaz de prevenir ou reduzir significativamente o conteúdo de algumas enzimas marcadoras de lesão tecidual.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1698331 - ANDERSON CARLOS MARCAL
Interno - 1849740 - ROGERIO BRANDAO WICHI
Externo ao Programa - 2335200 - CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM